NOVO: Relatório global do setor de telecomunicações 2024

Tempo de leitura: 8 minutos

Você confia na tecnologia?

Desde que Bill Gates dançou no palco no lançamento do Windows 95 — ao lado de Steve Ballmer, seu futuro sucessor como CEO da Microsoft — nos acostumamos a ver empreendedores de tecnologia na mídia.

Muitos se tornaram nomes conhecidos, suas histórias celebradas em livros e/ou suas personalidades retratadas por estrelas de Hollywood em filmes de sucesso.

Mas por trás das manchetes, quão conhecidos são os indivíduos que dirigem as empresas de tecnologia mais bem-sucedidas do mundo hoje? 

Recentemente, realizamos uma pesquisa com respondentes nos Estados Unidos sobre a reputação de 12 gigantes da tecnologia e seus fundadores ou CEOs — e descobrimos o seguinte:

  • Como os americanos associam uma empresa ao seu CEO;
  • Como a reputação das empresas de tecnologia se compara à de seus líderes;
  • Qual é a empresa de tecnologia mais confiável e admirada — e qual é a menos;
  • O que impulsiona e quais são os detratores da reputação do setor de tecnologia.

Quem está no comando?

Nossa primeira pergunta buscou determinar se os respondentes conseguiam selecionar corretamente o nome do fundador ou CEO da empresa em nossa lista. Na maioria dos casos, menos da metade conseguiu.

As exceções? Elon Musk e Mark Zuckerberg.

Para os titãs da tecnologia em análise, essa situação não é necessariamente ruim. A discrição acaba se tornando um trunfo. A maioria dos CEOs ou presidentes geralmente prefere manter sua “identidade pessoal” — se é que existe — em segundo plano.

No entanto, caso optem por se tornar mais “visíveis”, acabam fazendo com um grupo seleto de partes interessadas, como mídia, investidores e legisladores, e sobre assuntos específicos, como estratégia corporativa, crescimento financeiro e regulamentação.

Quanto aos casos atípicos — Musk e Zuckerberg —, não precisamos justificar com muitas palavras. O primeiro continua sendo, como disse o escritor de tecnologia Nick Hilton, “franco, irreverente e voltado para o público”.

De fato, seja lançando Teslas ao espaço ou impactando o preço das ações do Twitter com um único tweet, Musk raramente está fora dos holofotes. Enquanto isso, Zuckerberg é há muito tempo considerado o rebelde de Palo Alto, com sua história imortalizada por Hollywood.

A reputação importa

Nossa segunda pergunta pediu aos entrevistados que avaliassem as empresas em questão. Como sempre, registramos um Índice de Confiança e Admiração para cada empresa, além de uma pontuação para os doze atributos de marca e reputação monitorados pela Caliber*.

Como o carrossel abaixo mostra, as pontuações demonstram quais atributos impulsionam as marcas e quais são os detratores da reputação do setor de tecnologia, com as empresas obtendo as maiores pontuações em Inovação, Produtos e Serviços e Inspiração — e as menores em Meio Ambiente, Relevância e Integridade.

O que é interessante aqui — e será especialmente relevante para o que segue — é que a Amazon tem a melhor reputação das 12 empresas que consideramos, aparecendo entre as três primeiras para cada atributo. Por outro lado, X tem as piores reputações, aparecendo entre as três últimas para cada atributo.

Confiando nos titãs

Depois de pedir aos entrevistados que avaliassem cada empresa, pedimos que avaliassem as pessoas associadas a cada uma delas, usando atributos de marca e reputação quase idênticos.

A premissa era simples: a reputação do CEO seria melhor ou pior do que a de sua própria empresa — ou seria a mesma?

Em todos, exceto dois casos, o executivo avaliado tem uma reputação pior — embora em muitos casos, o tamanho da amostra não fosse grande o suficiente para garantir significância estatística. Isso por si só é um detalhe revelador sobre a aparente “invisibilidade” de muitos desses titãs da tecnologia nos EUA.

Sem muita surpresa, obtivemos um número estatisticamente significativo de respostas sobre três executivos de alto perfil — Elon Musk, Mark Zuckerberg e o fundador da Amazon, Jeff Bezos.

Em termos gerais, os três têm “marcas e reputações” individuais médias. Mas, como vimos, enquanto X e Meta têm reputações corporativas relativamente pobres, a Amazon não tem.

Elon Musk – o fator X

Vamos começar com Elon Musk. O CEO da Tesla e proprietário da X tem um Índice de Confiança e Admiração pior do que o de ambas as empresas — embora as reputações delas também não sejam especialmente fortes.

Como mostra o carrossel abaixo, suas pontuações de marca e reputação estão mais próximas das da X em sete atributos (Integridade, Autenticidade, Diferenciação, Relevância, Inspiração, Social e Governança). As pontuações de Musk estão muito mais próximas das da Tesla para Produtos e Serviços, Inovação e Meio Ambiente, enquanto para Liderança sua pontuação pessoal fica entre a da X e a da Tesla.

Musk e sua reputação por gênero

Por fim, os dados revelam uma divisão de gênero interessante. Musk obtém pontuações muito mais altas entre os homens do que entre as mulheres em todos os atributos de marca e reputação, incluindo um Índice de Confiança e Admiração drasticamente diferente. Abaixo, incluímos três deles:

Mark Zuckerberg – falta de simpatia

A seguir, vamos falar sobre Mark Zuckerberg, que tem um Índice de Confiança e Admiração pior do que o da Meta.

Na verdade, como mostra o carrossel abaixo, suas pontuações de marca e reputação são mais baixas do que as da Meta em todos os atributos, exceto um: Produtos e Serviços.

Jeff Bezos – imagem arranhada

Por fim, vamos falar sobre Jeff Bezos, que tem uma reputação muito pior do que a Amazon, a empresa que ele fundou e liderou até 2021.

Na verdade, suas pontuações de marca e reputação são muito mais baixas do que as da Amazon em todos os atributos.

Conclusão

Uma conclusão que se pode tirar desses dados é que líderes visíveis podem causar mais prejuízos do que benefícios para a reputação de suas empresas. De fato, isso está muito longe dos dias de Richard Branson, da Virgin, e Steve Jobs, da Apple, cujo amor pelos holofotes fez maravilhas para suas personas públicas e para a reputação de suas empresas.

Nossos resultados mostram que isso não é mais o caso: os CEOs mais amplamente identificados (Musk e Zuckerberg) têm pontuações muito baixas de Confiança e Admiração — e suas empresas associadas também sofrem de uma reputação relativamente ruim.

É claro que os resultados corporativos podem não estar associados às reputações pessoais de seus líderes, mas pode-se dizer que sua visibilidade certamente não ajuda. De fato, o recente declínio do Índice de Confiança e Admiração do Twitter/X sugere a existência de um “efeito Musk”. Por outro lado, nada disso pode importar muito para os stakeholders da X ou da Tesla — e certamente para Musk.

Outro fato é que, enquanto a visibilidade de Zuckerberg e Musk é mais controversa (social e politicamente) e diretamente conectada às empresas que possuem e lideram, a visibilidade de Bezos é menos controversa — e menos conectada à Amazon (como seu divórcio multibilionário).

Como CEO, presidente ou fundador de uma empresa líder, é provavelmente melhor manter um perfil baixo do ponto de vista da reputação. Se você aumentar sua visibilidade, é melhor evitar qualquer polêmica e manter sua empresa afastada dela também. Ao final, líderes corporativos de alto perfil provavelmente devem ser ainda mais cautelosos.

Sobre o estudo

  • Ao todo, entrevistamos 852 respondentes nos Estados Unidos entre 4 e 15 de dezembro de 2023;
  • Todas as perguntas são feitas em uma escala Likert de 1 a 7. As respostas são normalizadas em uma escala de classificação de 0 a 100;
  • Conheça mais sobre nossos atributos de marca e reputação aqui*.